Share |

Defender o interesse público é defender a escola pública

Pedro Soares com candidatos famalicenses Ana Marcelino, José Luís Araújo e Iolanda Sá

O Bloco de Esquerda votará contra a proposta da Câmara da Famalicão de invocar o interesse público para contestar a providência cautelar, interposta pelo Sindicato dos Professores do Norte, para tentar travar o processo de municipalização da educação, que será levada à próxima Assembleia Municipal.

A tomada de posição do Bloco de Esquerda foi divulgada por Ana Rute Marcelino, durante a apresentação dos candidatos de Famalicão às próximas Eleições Legislativas, que simbolicamente decorreu em frente à sede do Agrupamento de Escola D. Sancho I.

Para aquela candidata do Bloco, “defender o interesse público é defender a escola pública”, considerando que a transferência para os municípios das responsabilidades na área da educação “é o primeiro passo para a privatização da educação”. Ana Rute marcelino lembrou ainda que V. N. de Famalicão é o concelho do distrito com maior percentagem de estabelecimentos de ensino privado e que o Bloco não aceitará que se abra a porta à sua consolidação.

Ana Rute Marcelino é a quarta candidata das listas do BE, seguindo-se José Luís Araújo e Iolanda Londa de Sá. Candidatos que Pedro Soares, o cabeça de lista do Bloco pelo Distrito de Braga, considerou terem provas dadas na defesa das populações, quer pelo seu currículo de ativismo político, como deputados municipais, quer pela sua participação na vida cultural e associativa do concelho.

Pedro Soares sublinhou que, a par da defesa intransigente dos serviços públicos, a criação de emprego será a grande bandeira do Bloco nesta campanha, recordando que o concelho de Famalicão apresenta um número preocupante de desempregados de longa duração, pessoas a quem a austeridade “roubou dignidade, mas também a possibilidade para contribuírem para a riqueza do país”.

E lembrou que “não é mascarando as estatísticas do desemprego, como faz este governo, que será possível fazer um diagnóstico sério do problema. E sem um diagnóstico sério não é possível apresentar propostas e soluções”, como faz o Bloco no seu programa eleitoral, acrescentou.