Share |

Bloco reuniu com o Centro Hospitalar do Médio Ave

Uma delegação do Bloco de Esquerda, composta por José Maria Cardoso, deputado eleito pelo círculo de Braga, Raquel Azevedo, da concelhia de Famalicão, e Ana Isabel Silva, do núcleo de Santo Tirso, esteve reunida com o Conselho de Administração do Centro Hospital do Médio Ave. 

Esta iniciativa é na sequência do périplo que o Bloco de Esquerda tem vindo a fazer pelas unidades de saúde do distrito, tendo já reunido também com o Agrupamento de Centros de Saúde de Famalicão, com o objetivo de identificar as carências e apresentar propostas de soluções para os problemas das populações.

No final do encontro, José Maria Cardoso referiu que foi possível perceber que há falta de profissionais, nomeadamente médicos ortopedistas, enfermeiros e assistentes. Segundo o deputado, existem apenas dois ortopedistas a fazer urgência e, mesmo abertos concursos, as vagas não são preenchidas.

"Esta situação coloca enormes dificuldades na prestação de cuidados à população, levando a que no ano de 2019 cerca de 200 utentes tiverem de ser operados no privado, representando custos acrescidos para o SNS com os cheques-cirurgia e abrindo caminho à voracidade do setor privado", afirmou.

"O estado social é um pilar essencial da democracia e não é aceitável apresentar orçamentos com superávit quando há tantas necessidades da população para ser satisfeitas, não só na saúde, mas também na educação, habitação, transportes e justiça”, acrescentou.

Ana Isabel Silva lembrou ainda que houve a intenção de entregar a unidade de Santo Tirso à Santa Casa da Misericórdia, em 2015, pelo então governo PSD/CDS. "O Bloco de Esquerda sempre se opôs a essa intenção e denunciou a constante falta de investimento naquela unidade. É necessário que as pessoas percebam a importância desta unidade e a importância da saúde pública de qualidade, que não pode ser apropriada por interesses privados", afirmou.

Recorda-se que o Centro Hospitalar do Médio Ave presta cuidados de saúde diferenciados a cerca de 250 mil pessoas dos concelhos de Santo Tirso, Trofa e Vila Nova de Famalicão. A carência de ortopedistas já tinha motivado os deputados blquistas a endereçarem uma pergunta ao Governo, que aguarda resposta.

AnexoTamanho
pergunta_ms_falta_ortopedistas_famalicao_06.01.2020.pdf212.97 KB